Smartphones são a nova revolução na saúde

Os smartphones são chamados de “smart” (espertos, inteligentes) porque acumulam muitas funções além da clássica ligação telefônica. São cheios de jogos e aplicativos cuja principal finalidade é a diversão. Agora, esses canivetes suíços tecnológicos estão dando passos mais largos e entrando no campo da saúde pública.Mas como?

Pois saiba, por exemplo, que há cerca de 40 mil aplicativos disponíveis hoje com finalidades médicas. Com eles você pode verificar a qualidade do ar de sua cidade em tempo real, recebe dicas de alimentos saudáveis, faz a contagem de calorias do que está comendo,  medita, ou checa seu nível  de stresse. E a cada dia surgem novos aplicativos com finalidades diferentes.

Saiba também que que tablets e smartphones estão virando o instrumento mais usado pelos médicos desde o estetoscópio. Nos EUA,  50% dos médicos já usam smartphones e seus aplicativos rotineiramente. E as potencialidades são imensas. Por exemplo: pesquisadores da universidades norte-americanas Georgia Tech e Emory transformaram iphones em otoscópios, aquele equipamento que os médicos usam para enxergar o interior da orelha dos pacientes. Com ele, pais podem monitorar diariamente uma criança com um ouvido inflamado e enviar as imagens ao médico, que acompanha o progresso do tratamento diariamente. Essa versão modificada é apenas o começo de uma revolução na saúde pública do mundo inteiro.

Especialistas prevêem que em 3 anos o acesso a algum tipo de acompanhamento médico dobrará nos EUA por conta do uso de smartphones, com um aumento mais intenso em zonas rurais e de difícil acesso. Também esperam economizar 25% em custos gerais e promover a mesma economia a pessoas da terceira idade. Com um smartphone é possível compilar seu dados diários, como pressão, batimentos cardíacos, etc. e entregá-los ao seu médico antes da consulta fornecendo a ele uma ficha completa e personalizada. Além de ser possível coletar seus dados enquanto você joga joguinhos feitos para “gameficar” seu cuidado com a saúde.

Compartilhe: