Os benefícios de cochilar

 

Com a idade, vêm as mudanças na estrutura e na qualidade do seu sono. Depois dos 60 anos, nós ficamos com o sono menos profundo e ciclos de sono mais rápidos, acordamos com maior frequência e dormimos uma média de duas horas a menos por noite do que dormíamos quando éramos adultos jovens. Já se pensou que as pessoas mais velhas não precisavam dormir tanto quanto as mais novas, mas os especialistas agora chegaram à conclusão de que não é bem assim. Independentemente da idade, nós geralmente precisamos de 7 horas e meia a 8 horas de sono para o nosso corpo funcionar perfeitamente. Portanto, se você não está dormindo o suficiente à noite, o que você acha de cochilar durante o dia? Ou cochilar prejudica o ciclo de sono, produzindo menos sono e sonolência diurna?

Essas questões foram abordadas em um estudo recente feito pelos pesquisadores da Universidade de Medicina Weill Cornell, em Nova York, e foram publicadas no Jornal da Sociedade Americana de Geriatria (Fevereiro de 2011). Os autores concluíram que o cochilo não apenas aumenta a quantidade total de sono das pessoas mais velhas – sem gerar sonolência durante o dia – como também acarreta benefícios cognitivos mensuráveis.

O estudo. Este pequeno, mas bem elaborado estudo envolveu 22 homens e mulheres saudáveis com idades entre 50 e 83 que concordaram em ser analisados em um laboratório do sono. Durante as duas primeiras semanas preliminares, os participantes mantiveram os registros de sono em casa e utilizaram monitores para mapear os seus movimentos durante a noite. Eles foram então levados para o laboratório do sono durante três noites e dois dias e receberam uma avaliação do sono profundo (usando polissonografia e outras técnicas) e uma bateria de testes cognitivos. Depois dessa sessão inicial de laboratório, os participantes iniciaram uma rotina mensal diária de cochilos em casa: metade deles foram cochilos rápidos (45 minutos), e a outra metade foram cochilos mais demorados (duas horas). Depois da segunda e quarta semanas, todos voltaram ao laboratório para avaliação de repetição.

Os resultados. Ao final do estudo, o tempo total de sono aumentou em média 65 minutos nos participantes designados aos cochilos de duas horas de duração, e uma média de 20 minutos naqueles que tiraram os cochilos de 45 minutos. Os participantes sentiram maior dificuldade em aderir à rotina de cochilos de duas horas diárias, porém nem os que dormiram mais tempo nem aqueles que dormiram menos tempo sentiram seu sono desregulado ou sonolência durante o dia. Cochilar aumentou o tempo de sono com ondas lentas e movimento rápido dos olhos-(REM), que possui um papel importante no descanso e recuperação do corpo e do cérebro. Tanto os participantes que tiraram cochilos mais longos quanto os que tiraram cochilos de menor duração apresentaram melhorias significativas em três dos quatro testes feitos na bateria de testes de avaliação cognitiva feitos pelo estudo.

Limitações e implicações. Apenas pessoas com boa saúde física e mental foram incluídas no estudo, portanto não ficou claro se um regime de 45 minutos ou duas horas diárias de cochilo seria tão útil a adultos mais velhos com problemas de sono ou outras condições médicas. O estudo não nos diz nada acerca dos efeitos dos cochilos rápidos em ficar acordado. Além disso, o estudo foi breve: as funções cognitivas relacionadas ao sono foram medidas depois de apenas duas e quatro semanas. Se as melhorias detectadas durante o estudo continuarão durando pelas próximas semanas de cochilo nós não sabemos. No entando, os resultados fornecem novas evidências de que, para ao idosos, um cochilo diário pode somar-se ao tempo total de sono (assim como ao tempo de sono restaurador) e melhorar o funcionamento do corpo durante o dia.

 

Fonte: Universidade de Harvard

Imagem: Revista Crescer

Compartilhe: