Doenças de inverno: quais são e como tratar

É só esfriar que elas começam a pipocar. Em casa, no trabalho ou na escola, as doenças de inverno atacam a garganta, o aparelho respiratório, os ouvidos e os pulmões. A queda de temperatura, o ar seco, a poluição e o fato de ficarmos em ambientes fechados, tudo isso favorece a ação de vírus e bactérias.

Essas doenças, se tratadas de maneira correta, não causam grandes transtornos, apenas incômodos. Quando se agravam, porém, podem até levar à morte. Conheça as principais e fique atento para tratá-las da maneira correta.

Alergia – no inverno, as alergias típicas são as que envolvem o aparelho respiratório. Por isso, causam tosse e coceira nos olhos e na pele.  Os tratamentos devem ser prescritos por especialistas, que receitam desde antialérgicos e cortisona até vacinas.

Amidalite – inflamação das amídalas, responsáveis por filtrar pela boca possíveis infecções para o resto do corpo. Pode ser causada por vírus ou por bactérias. Causa dor de garganta, febre, mau hálito e gânglio no pescoço.

Asma – também pode ser chamada de bronquite asmática ou alérgica.  É uma inflamação do pulmão e das vias aéreas, que congestiona os brônquios e impede a entrada do ar aos pulmões. Se não tratada, pode causar enfisema pulmonar. Os médicos costumam receitar as famosas bombinhas, além da inalação com soro fisiológico e medicação.
20130626-inverno_post

Bronquite – ocorre quando os brônquios ficam inflamados e o ar não consegue chegar aos pulmões. Daí vem o catarro e a tosse seca com chiado. Se não for tratada, a tosse se agrava, aparecem escarros e a bronquite pode progredir para uma pneumonia. Uma forte fadiga, mal-estar geral e febre também podem ocorrer. Alergias, irritações pela fumaça ou fumo, podem causar a bronquite. Quem está com a doença não deve fumar ou ficar em locais fechados ou poluídos. Xaropes expectorantes eliminam o catarro. Inalação também é indicada, e médicos podem receitar antibióticos.

Faringite – é uma inflamação na faringe (localizada entre as amígdalas e a laringe) que deixa a garganta arranhada, com pus. Provoca também febre e dor de ouvido. O causador geralmente é uma bactéria, um vírus ou uma infecção em outro lugar do corpo, como o nariz. Dali ela pode se espalhar para a faringe e, se evoluir, pode virar meningite. Como tratamento os médicos recomendam analgésicos, pastilhas para dor de garganta e antibióticos.

Gripe – muito contagiosa, é causada pelo vírus influenza, transmitido pelo ar por meio de gotículas de saliva. Ataca o nariz, a garganta e os pulmões. Se não se agravar, passa sozinha em alguns dias. Se não tratada corretamente, principalmente em idosos, no entanto, pode virar pneumonia ou meningite. Não existe remédio para curar a gripe, mas sim para aliviar seus sintomas: febre alta, dores musculares e nas articulações, calafrios, dores de cabeça e inflamação dos olhos. Nesses casos, analgésicos, antitérmicos, descongestionantes e vitamina C são indicados.

Laringite – surge quando ocorre uma inflamação na laringe, onde estão as cordas vocais, que não causa dor, mas provoca tosse seca e rouquidão. Vírus, bactérias e bebidas muito geladas também provocam laringite. Não se deve fumar, ingerir bebidas geladas e gritar. Repouso e antibióticos são indicados.

Meningite – muito temida e gravíssima, a meningite é a inflamação das leptomeninges, membranas que cobrem a medula espinhal e o cérebro. Pode ser causada por vírus ou bactérias, fungos ou parasitas ou até por uma gripe mal tratada. Febre alta, pescoço enrijecido, enjoos e dores de cabeça são os sintomas mais comuns dessa doença que exige acompanhamento médico permanente. Se não tratada adequadamente, causa sequela cerebral e morte. Hospitalização e antibióticos são recomendados pelos médicos.

Otite – é a famosa dor de ouvido, causada por uma infecção bacteriana, muito comum em crianças. Em geral acontece por causa da migração de vírus e bactérias que infectam a garganta e se multiplicam devido a secreções no local.

Pneumonia – infecção que pode acometer todo o pulmão ou parte dele, deixando os alvéolos pulmonares cheios de pus e de líquidos, o que impede a respiração correta. Em geral, é conseqüência de infecções respiratórias, bronquites, resfriados e gripes, causadas por vírus e/ou bactérias e fungos. Há diversos tipos de pneumonia e algumas podem piorar rapidamente exigindo hospitalização. Febre alta, tosse com escarro, dor no peito e calafrios podem ocorrer e os sintomas são mais fortes dependendo da área dos pulmões afetada. Antibióticos, inalação, não fumar, evitar ambientes fechados e descansar são as recomendações.

Resfriado – é uma infecção leve no nariz e na garganta que tende a passar sozinha. O nariz escorre, há febre baixa e espirros. Alergias, vírus ou bactérias podem causar resfriados.

Rinite – não-contagiosa, é uma inflamação no nariz, que aparece de tempos em tempos devido a alguma alergia. Coriza, coceira no nariz, olhos e febre baixa são os sintomas. Reação alérgica a pó, cigarro e reações a medicamentos causam rinite. Mofo, fumaça, tinta fresca pioram os sintomas. Antialérgicos, descongestionantes, analgésicos e antitérmicos são usados no tratamento.

Sinusite – uma inflamação não-contagiosa que ataca a parte interna dos seios da face e deixa o nariz congestionado, provoca dor de cabeça, tontura, febre, inchaço nas pálpebras e mal-estar. Descongestionantes, analgésicos, antitérmicos e antibióticos minimizam o problema.

 

Como muitos sintomas se confundem, somente especialistas podem diagnosticar a doença e tratá-las de maneira correta, para que não haja quadros mais graves. Procure sempre um otorrino e encare o inverno com muita saúde!

Compartilhe: