Cálculo renal: O que é, sintomas e tratamentos.

 

O cálculo renal, ou pedra nos rins, é uma massa dura formada por cristais que se separam da urina e se unem para formar pedras. Sob condições normais, a urina contém substâncias que previnem a formação dos cristais. Entretanto, esses inibidores podem se tornar ineficientes causando a formação dos cálculos. A doença é duas vezes mais comum em homens e seu pico de incidência ocorre entre os 20 e 40 anos de idade.

Os cálculos renais podem conter variáveis combinações de elementos químicos. O tipo mais comum de cálculo renal contém cálcio em combinação com oxalato ou fosfato (que estão presentes em uma dieta normal e fazem parte dos ossos e músculos). Esses cálculos representam 75% de todos os cálculos renais. Um tipo menos comum de cálculo é causado pela infecção urinária. Esse tipo de cálculo é chamado estruvita ou cálculo infeccioso. Eles podem ser de grande tamanho e obstruir a via urinária, podendo levar a grandes danos renais.

Quando o cálculo se encontra no parênquima renal não costuma causar sintomas. Quando vai, porém, para a parte central onde estão os tubos coletores e para os ureteres pode provocar dor de forte intensidade, a chamada cólica renal, que requer cuidados médicos.

A dor do cálculo renal é muito forte e aguda. É uma dor lombar alta, unilateral, pois raramente se manifesta nos dois lados das costas.  Diferente da dor crônica, aquela que se instala por dias ou semanas, irradia-se pelo flanco (região lateral do abdômen), pela pelve e alcança os genitais tanto do homem quanto da mulher, à medida que o cálculo progride pelas vias urinárias. É importante ressaltar que a posição ou o movimento do corpo não influem no aparecimento nem na intensidade dessa dor. Além da dor, outros sintomas também podem vir associados ao cálculo renal como vômitos, febre, dor para urinar e sangue na urina.

A presença de sintomas sugestivos de cálculo renal, dor súbita no dorso ou sangue na urina, deve ser avaliada por um médico. Testes diagnósticos específicos podem então ser realizados para confirmar o diagnóstico.

Exames de sangue e de urina podem ajudar a detectar algumas anormalidades que podem promover a formação de cálculos. Em adição, o exame de urina pode detectar sangue na urina assim como a presença de cristais. Mais freqüentemente, os cálculos renais são encontrados em radiografia ou ultra-sonografia. Esses métodos diagnósticos oferecem informações importantes sobre o tamanho e localização das pedras.

No momento da dor, o mais importante é a analgesia. O paciente pode tomar os remédios em casa, mas se a dor aumentar deve procurar urgentemente um urologista ou nefrologista e, conforme o caso, ser internado no hospital.

Os primeiros medicamentos indicados são os analgésicos, os antiespasmódicos e os anti-inflamatórios. Muitas vezes, eles não bastam para controlar a dor e o paciente eliminar o cálculo. Como podem ocorrer vômitos, quando ela é muito forte, é preciso prescrever medicação injetável. Dor persistente exige a aplicação de derivados da morfina e internação hospitalar.

A melhor forma de prevenção contra o aparecimento de cálculos renais é manter uma vida saudável, fazendo exercícios aeróbicos regularmente e ingerindo bastante líquido, principalmente água.

Mesmo com estes cuidados, no caso de pessoas que possuam uma grande disfunção metabólica, é necessário encontrar formas naturais de regularizar as funções do organismo. Exames de urina regulares são indicados para monitorar a presença da bactéria da urina.

É importante ressaltar que a prevenção de novos cálculos deve ser feita pelo resto da vida.

 

Fonte: www.boasaude.uol.com.br

Imagem: www.blogamos.com

Compartilhe: