Atuação da Fisioterapia nas desordens temporomandibulares

Disfunção temporomandibular é a denominação genérica para o subgrupo das disfunções dolorosas orofaciais, que envolvem queixas de dor sobre a região da articulação temporomandibula, fadiga dos músculos craniocervicais, especialmente dos músculos da mastigação, limitação de movimentos mandibulares e presença de ruídos articulares.

A disfunção temporomandibular ou desordem craniomandibular manifesta-se normalmente por um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: dor na região orofacial, podendo ou não agravado por mastigação ou limitação no movimento mandibular como abrir e fechar a boca, sons ou estalidos durante o movimento mandibular, cefaléias, dor na região cervical e ainda alguns relacionados ao sistema auditivo como otalgias e/ou zumbidos.

O cuidado ideal para este tipo de disfunção é a abordagem multidisciplinar. Aqui discutiremos a abordagem fisioterapêutica nas disfunções temporomandibulares. Tal abordagem envolve desde técnicas de tratamento por meios físicos (calor, TENS –eletroestimulacao transcutanea, gelo) e recursos manuais com técnicas de mobilização articular e inibição muscular para analgesia e ainda técnicas posturais considerando a relação íntima da posição da cabeça com a mandíbula.

Pesquisas demonstraram que a lordose cervical de indivíduos com dor apresentou mais retificação e o hióide mais baixo. Rocabado afirma ainda que as relações crânio-cervical-hióide podem ser modificadas por aparelhos ortopédicos removíveis e por técnicas manuais de Fisioterapia aplicadas à coluna cervical e na articulação temporomandibular.

Leonardo Fusazaki
Fisioterapeuta
Especialista em Ortopedia / Traumatologia pela UNIFESP
Formação em técnicas de Terapia Manual ( Mulligan, Maitland, Rocabado, Estabilização Vertebral)
Sócio-Proprietário da Clínica Solus Fisioterapia – S.P.
leo.fusazaki@gmail.com

Imagem: Boa Saúde

Compartilhe:

Deixe um comentário

Atuação da Fisioterapia nas desordens temporomandibulares

Disfunção temporomandibular é uma denominação genérica para o subgrupo das disfunções dolorosas orofaciais, que envolvem queixas de dor sobre a região da articulação temporomandibula, fadiga dos músculos craniocervicais, especialmente dos músculos da mastigação, limitação de movimentos mandibulares e presença de ruídos articulares.

A disfunção temporomandibular ou desordem craniomandibular manifesta-se normalmente por um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: dor na região orofacial, podendo ou não agravado por mastigação ou limitação no movimento mandibular como abrir e fechar a boca, sons ou estalidos durante o movimento mandibular, cefaléias, dor na região cervical e ainda alguns relacionados ao sistema auditivo como otalgias e/ou zumbidos.

O cuidado ideal para este tipo de disfunção é a abordagem multidisciplinar. Aqui discutiremos a abordagem fisioterapêutica nas disfunções temporomandibulares. Tal abordagem envolve desde técnicas de tratamento por meios físicos (calor, TENS – eletroestimulacao transcutanea, gelo), e recursos manuais com técnicas de mobilização articular e inibição muscular para analgesia e ainda técnicas posturais considerando a relação íntima da posição da cabeça com a mandíbula.

Pesquisas demonstraram que a lordose cervical de indivíduos com dor apresentou mais retificação e o hióide mais baixo. Rocabado afirma ainda que as relações crânio-cervical-hióide podem ser modificadas por aparelhos ortopédicos removíveis e por técnicas manuais de Fisioterapia aplicadas à coluna cervical e na articulação temporo-mandibular.

Leonardo Fusazaki
Fisioterapeuta
Especialista em Ortopedia / Traumatologia pela UNIFESP
Formação em técnicas de Terapia Manual ( Mulligan, Maitland, Rocabado, Estabilização Vertebral)
Sócio-Proprietário da Clínica Solus Fisioterapia – S.P.
leo.fusazaki@gmail.com

Compartilhe:

Deixe um comentário