As vitaminas e outros suplementos cumprem o que prometem?

 

Os suplementos dietéticos são muito populares. Mais de um milhão de americanos tomam, pelo menos, um suplemento. A atração é compreensível. Muitas pessoas querem melhorar sua saúde e seu bem-estar. A indústria de suplementos tem um forte interesse financeiro em atender a essas necessidades e promover seus produtos. Mas os fabricantes não precisam provar a pureza, força, segurança ou eficácia dos suplementos. E a lei não exige prova de que as alegações no rótulo são verdadeiras.

Uma edição recente da Revista de Saúde Masculina de Harvard dá aos leitores uma visão geral sobre (a favor ou contra) vários suplementos populares, incluindo vitamina D, selênio, erva de São João e multivitaminas. O médico Harvey Simon, editor da Revista de Saúde Masculina de Harvard, adverte os leitores: “os consumidores devem ficar sempre de olho em novas pesquisas e estudos. Recomendações irão mudar à medida que os estudos científicos forem acontecendo. Infelizmente, na maioria dos casos, os estudos não conseguiram confirmar as nossas esperanças, embora existam exceções.”

Apesar de sua popularidade, não existem evidências de que as multivitaminas melhorem a saúde ou previnam doenças. Na verdade, tanto a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos e a Conferência Nacional de Institutos da Saúde concluíram que as multivitaminas não oferecem proteção contra doenças cardíacas ou câncer. Em contraste a essa informação, pesquisas sugerem que suplementos à base de óleo de peixe podem ser benéficos para pessoas com doenças cardíacas.

Dr. Simon recomenda uma abordagem séria e cuidadosa. “É normalmente difícil equilibrar estudos científicos bem elaborados com as promessas simples esperançosas das vitaminas e suplementos bem comercializados.” A Revista de Saúde Masculina de Harvard dá algumas dicas para fazer exatamente isso:

– Fique atento para promessas exageradas. Se parece bom demais para ser verdade, geralmente não é verdade.

– Encare depoimentos e endossos com certo ceticismo, especialmente aqueles vindos das celebridades. Mesmo as recomendações mais sinceras e bem-intencionadas vindas de amigos e parentes sem interesses financeiros não podem atestar a segurança e a eficácia de um produto.

– Não é verdade que “se pouco é bom, mais é melhor”. Na verdade, nós aprendemos que mesmo os suplementos que pareçam menos nocivos podem ter efeitos negativos indesejados.

– Cuidado com os termos que não tem significado. A lista inclui “todo natural”, “rico em antioxidantes”, “clinicamente testado”, “anti-idade”, e outros apelos vagos porém bastante sedutores de que um produto pode fazer maravilhas pelo usuário.

Mesmo se você tomar suplementos, certifique-se de que você está se alimentando bem, se exercitando regularmente e checando com seu médico se seu colesterol, pressão arterial e açúcar no sangue estão sob controle, aconselha a Revista da Saúde Masculina. Fale aos seus médicos sobre todo e qualquer suplemento que você toma; falar sobre tudo que você ingere é importante, especialmente porque suplementos podem ter interações adversas com medicamentos.

 

Fonte: http://www.health.harvard.edu

Imagem: www.mdemulher.com.br

Compartilhe: