A criança que ronca

 

Ronco é o ruído produzido pela passagem do ar contra as paredes estreitas e/ou obstruídas da via aérea. Essa obstrução pode ocorrer em qualquer local, desde o nariz até a laringe. Na criança, o principal motivo é o aumento da adenóide e/ou das amígdalas palatinas.  Esses órgãos são formados por tecido linfóide, ou seja, constituem a primeira linha de defesa na via aérea infantil.

A adenóide localiza-se na rinofaringe, ou seja, na parte posterior do nariz. A hipertrofia da adenóide promove o bloqueio da fossa nasal. Consequentemente, a criança  desenvolve respiração bucal e roncos. Essa alteração também pode ser responsável pelas rinosinusites de repetição em crianças, devido à dificuldade de aeração do nariz e dos seios da face.

A hipertrofia das amígdalas palatinas pode ocorrer concomitante à da adenóide ou vir isolada. Nesses casos, a criança também ronca e desenvolve a respiração bucal. É notório também a alteração na ressonância da fala. A voz fica abafada e anasalada.

A criança que tem rinite alérgica parece ter maior predisposição para a hipertrofia adenoamigdaliana e, nesses casos, o quadro se apresenta muito pior, pois constantemente ocorre coriza e secreção nasal.

Alguns estudos já demonstraram uma relação direta entre a obstrução nasal e o aparecimento do calos de cordas vocais. Muito comum em meninos e meninas em idade pré-escolar. O calo de cordas vocais tende a desaparecer nos meninos na puberdade, enquanto que nas meninas tende a permanecer. Esse fato ocorre principalmente em meninas que também têm obstrução nasal.

A criança respiradora bucal pode desenvolver alterações no crescimento crânio-facial irreversíveis. Há assimetria da maxila e mandíbula e a alteração na conformação do palato e na arcada dentária.

Além disso, ocorre alteração do sono dessa criança, tornando-se mais superficial e muitas vezes com apnéias, paradas respiratórias.

O sono deficiente e a dificuldade respiratória levam à alterações no crecimento e desenvolvimento da criança.

Por todos esses fatores, é importante que o diagnóstico e tratamento correto seja feito o mais precoce prossível, para evitar conseqüências irreversíveis no futuro. Atualmente, sabemos que o adulto magro que ronca e tem apnéia pode ter sido uma criança obstruída que não foi tratada prococemente.

 

Saramira Bohadana

Saramira Bohadana é médica otorrinolaringologista, colaboradora do ambulatório infantil de laringologia e voz do Hospital das Clínicas de São Paulo, e especialista em casos de crianças com problemas respiratórios.

Compartilhe: